Pular para o conteúdo principal

Barbeado blog

Hoje me olhei no espelho e percebi uma coisa: estava a cara do Rob Zombie ( ou Bin Laden, Primo It, Chewbacca, Pé Grande, pseudo-comunista, Lobisomem, enfim.... você decide).
Percebi que estava na hora de ir cortar o cabelo e fazer a barba após 4 meses de "boicote" à tesoura.
Pensei em ir à um salão de cabeleireiro perto de casa, mas lembrei da última vez que fui em um: Ter que botar a cabeça dentro daquele tanque, passar shampoo, e ter o cabelo alisado, depois passa secador, e corta aqui, corta ali, pergunta se está bom, e corta mais... ARGH
Decidi pelo óbvio, ir ao barbeiro.
Mulheres e metrosexuais ( bichas que não se assumem) não entendem essa preferência masculina pelo barbeiro. É algo complexo na verdade.
Começa pelo ambente único, aquele salão com suas cadeiras antigas e aqueles velhinhos em pé com um jaleco branco com uma tesoura, um pente e uma navalha no bolso. Música antiga tocando no rádio, alguns clientes esperando a vez, ventilador que faz barulho, gente que está sempre lá pra bater papo com os barbeiros mas não vai cortar o cabelo, o garoto que engraxa sapatos... e por aí vai.
Espero uns 10 minutos e chega a minha vez. Me levanto, cruzo o salão com piso xadrez ( clássico) e me sento naquela cadeira antiga, porém confortável, de frente pro espelho com algumas fotos de família e o escudo do time dele.
Ele sempre pergunta "Como vai ser?" e a gente sempre responde "Dá uma abaixada no cabelo" ou "Corta ae". Não precisa explicar mais nada, parece que ele lê a mente e faz do jeito que você quer. Eu só disse "Abaixa o cabelo e faz a barba, mas deixa um cavanhaque por favor" e foi o suficiente.
Quando ele começa a cortar surgem os papos, barbeiro adora papear. E o pior, eles parecem oniscientes, pois sabem de tudo e sabem conversar sobre tudo, é incrível. Eles são mais bem informados que grandes empresários ou jornalistas.
Após ficar bem informado sobre os fatos do mundo, meu cabelo está cortado. Ele passa uma loção ali no pé do cabelo, bem na nuca onde é raspado um pouquinho. Isso arde pacas, mas ajuda a fechar os poros ali. E depois joga um talco. Talco... só no barbeiro ou num berçário eu vejo isso. Vai ver esse é um dos fatores que fazem com que os homens gostem de ir lá, nostagia.
Depois vem a barba. A cadeira é reclinada e ele passa espuma com um pincel de barba no nosso rosto. Mais um ponto positivo, nesses tempos de espuma de barbear já pronta dentro de spray dá sempre uma certa saudade da época que tinhamos que misturar aquela pasta na água e passar no rosto com o pincel.
Após isso, ele começa a passar a navalha. Mais dois pontos positivos:
1) Homem gosta de viver perigosamente. Quer coisa mais perigosa que confiar em um sujeito que está passando uma navalha afiada perto da sua garganta?

2) Por melhores que sejam as lâminas de barbear que usamos em casa, nada supera uma navalha.

Barba feita, vem a provação final: Pedra ume passada no rosto. Arde como se fosse pimenta nos olhos, mas ninguém ousa demonstrar dor. Mais um ponto positivo, nossa masculinidade é afirmada.

Pois é... saí de lá com o cabelo e a barba espalhados pelo chão com piso xadrez da barbearia, sentindo a brisa no rosto como eu não sinto à 4 meses.
Daqui a mais ou menos 2 meses eu volto lá, pra mesma antiga barbearia, com as mesmas cadeiras antigas e com o mesmo velho barbeiro que até do meu avô fez a barba.



Comentários

  1. É, tenho que concordar: Não existe barbeado melhor do que o do velhinho. Eu não sou um cara que tem muita barba, mas fiz no barbeiro do meu avô umas duas ou três vezes. Nunca sai na rua com a cara tão limpa!

    []'s

    http://musikaholic.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  2. Oiii,

    tentei comentar e não sei se vc recebeu porq deu erro qdo eu mandei. Se vc não recebeu, então eu comento de novo haha eu sou a Cath do orkut, estou na comu comente no blog acima e resolvi passar para conhecer seu blog e curti mtu o post porq vc escreve bem no mesmo estilo do q eu. Qto ao tópico do post, eu acho q no fim das contas, os homens são mais preocupados com cabelo do q mulheres. Meu marido comprou a bendita da maquininha e vive raspando aki e ali, acabando com o banheiro, e no inverno vai no barbeiro turco cortar o cabelo, volta pra casa e fica trancado no banheiro olhando um lado do cabelo, o outro e no fim das contas o problema é sempre a nuca, com meu irmão e meu pai sempre foi assim, o mesmo drama haha.. meu pai começou a ir num barbeiro q tem uma cuspideira e ele usa a desculpa da curiosidade,.. ateh hj ele quer saber porq o homem tem uma cuspideira desss de dentista hahah

    meu blog: www.catincollege.blogspot.com

    abss!!

    ResponderExcluir
  3. Pô Warui, fiquei até com saudades de Recife.
    Desde os meus 5 anos de idade , eu cortava meu cabelo ( quando o tinha), na mesma barbearia que meu pai, Barbearia Santo Antonio, , com mais de 50 anos no mesmo local. Na ultima vez que fui lá ( em 2005), quem me atendeu foi o filho do barbeiro que me atenda quando criança e jovem. o rapaz tem a minha idade. E era interessante ver duas gerações seguindo os passos da anterior.
    Adorei o post (eita porra, sou macho!) quer dizer... muito bom essa parada ai que tu escreveu ¬¬

    ResponderExcluir
  4. noossa você escreve muito beem gostei do posst !


    http://copiagaspar.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Acho que para você, essa barbearia já é questão de tradição familiar. Não entendo muito de homens e barbearias, agora acho meio estranho ter que sentir ardor, perigo, dor, etc, para afirmar a masculinidade.

    http://alma-feminina.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Talvez não achasse estranho se percebesse que era apenas uma piada...

    ¬¬

    ResponderExcluir
  7. Poutz, é bem assim mesmo. Só que o barbeiro que eu vou não tem algumas desssa frescuras de talco e pedra aí, hehe

    ResponderExcluir
  8. Eu estou precisando ir num barbeiro! ja tem muito tempo que eu nao vou em um.

    ia sempre quando era moleque, Seu "Antonho", portugues, vascaino, nao entendia quase nada do q ele falava, mas era muito legal ir la. exatamente como descrito no post.

    qdo me mudei desse bairro, nao tinha barbeiro, apenas cabelereiro. achei um onde era quase [eu disse QUASE] uma barbearia. era todos homens, e nao metrossexuais. mas ainda sim nao tinha o refinamento de uma antiga barbearia de velhinhos.

    decidir comprar uma maquina de cortar cabelo e me virava em casa. isso tem durado anos, desde então. porem, no auge dos meus 30 anos, e nao vou comprar outra maquina, mas voltarei a ir em barbeiros classicos. achei um perto de onde estou morando, e eh pra la q eu vou!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os 47 ronin, parte 2: A hora da vingança.

Como dito no post anterior,  o daimyo Asano Naganori se viu obrigado a realizar o seppuku por ter ferido um superior no palácio do Shogun.
Tal notícia foi levada para Oishi Kuranosuke Yoshio, conselheiro de Asano, que assumiu o comando e levou a família Asano para longe, antes de cumprir as ordens do Shogunato e entregar o palácio e o feudo para agentes governamentais.
Dos mais de 300 homens de  Asano, 45, junto com o líder Oishi, recusaram-se a permitir que o seu senhor não fosse vingado, embora o Shogunato houvesse proibido a vingança nesse caso. Sim, haviam casos em que a vingança era tolerada.
Eles se uniram, fazendo um juramento secreto para vingar seu mestre matando o vacilão do Kira, mesmo sabendo que seriam punidos severamente por isso.
Só que o Kira tava bem guardado, e sua residência tinha sido fortificada e a segurança reforçada pois todo mundo sabia que os samurai eram meio doidos. Os ronin perceberam que teriam que esperar a poeira baixar antes que pudessem ter uma peque…

"Cheio de Ki" blog

Você tem dificuldade em entender como funciona um moinho de vento? Ou como água vira vapor? Ou porque algo queima quando fica muito quente? Você pode até não saber aquelas fórmulas e cálculos da aula de física, mas sabe mais ou menos como o trem funciona e o que há de comum neles todos, não? Pois é, energia. Então, por que raios mistificar a palavra japonesa “Ki”? Pois é basicamente o que ela significa. Nós ocidentais costumamos ter certa dificuldade pra entender termos japoneses (orientais em geral na verdade) e, a maneira japonesa de se expressar acaba dificultando o nosso entendimento também. No caso do “Ki”, levamos o troço pra um nível esotérico, místico e imaginamos ser uma energia interna que nos faz soltar Hadoukens, ou algo como a Força em “Star Wars”. Nos parece um termo que só é utilizado por algum coroa igual ao Pai Mei, isolado em alguma montanha no lugar mais isolado, mas na verdade é um termo bem comum. Por exemplo: 磁気 (JIKI) , nos remete ao magnetismo. 電気 (Denki),…

Natalino Blog

Então, é Natal. Época de paz, confraternização, respeito, religiosidade, harmonia, solidariedade e muitas outras palavras bonitas. Resumindo, é epóca de hipocrisia.
Não, eu não sou contra o Natal e não, não sou contra as pessoas serem pacíficas, fraternais, respeitosas, religiosas, harmônicas, solidárias e outros adjetivos bonitos. Mas seria interessante se fossem assim o ano todo.
Mas o meu problema com Natal é outro. Meu problema com o Natal se resume simplesmente à atmosfera natalina. Minha dúvida é: Todo maldito lugar tem que ficar tocando música natalina????
Porra, eu juro que não aguento mais musiquinha de harpa, "Jingle bells" em ritmo de gospel music, Simone cantando música natalina, malditos brinquedinhos chineses tocando a mesma música em todos os camelôs... além da decoração. Juro que não aguento ver mais pinheiros, sininhos e guirlandas. Aliás, pra quem é alto esse problema fica ainda pior, pois toda hora damos uma cabeçada em alguma guirlanda. Aliás, uma dúvida que…